Thursday, November 17, 2011

Jantar de recepção NDM11


A todos vocês, técnicos, formadores, voluntários e amigos ISU...juntem-se a nós na comemoração de mais um regresso dos voluntários NDM11!
Estamos a preparar um momento de partilha e convívio, envolto em petiscos (comes & bebes), muita alegria e boa disposição!

Confirmem a vossa presença...e juntem-se à Festa!

Thursday, November 10, 2011

Dispidida i ka sabi...

Terra pequena chamada Contuboel...
Contuboel tem mulheres bonitas com roupas de cores vivas, tem criançada por todo o lado a brincar com as piscinas improvisadas nos dias de chuva molhada.
Contuboel tem adultos que aprendem com o mesmo entusiasmo com que as crianças aprendem as letras. Contuboel tem a rádio comunitária com cortes, saltos, emissões muçulmanas, relatos de futebol e chamadas em directo dos técnicos que estão atrasados...
Em contuboel vive-se entre o verde das ervas, o alaranjado da estrada, as grandes extensões de bolanhas, as cabras a pastar, as crianças a lavar a roupa, as bagabagas a criar os seus palácios de terra, borboletas, gafanhotos, grilos, aranhas, formigas de todos os tamanhos, libelinhas, pássaros pequenos, médios e grandes, pirilampos, abutres...
Os camiões carregados do Senegal passam torpes com 5 andares de encomendas com alimentos processados, e a viagem que fazem pelas estradas de pó e buracos de terra batida é só por si uma espécie de epopeia...
As casas, umas mais jovens, outras menos, crescem tranquilas rodeadas de ervinhas. Junto ao mercado os telhados das casas coloniais desfazem-se de forma orgânica como se fossem cogumelos a decompor-se lentamente...
As gentes? O estar, o ter que ir...as despedidas as certezas...

Ana Lua, Edu, Flávia e Irina

Thursday, November 3, 2011

Hora di riba...!

Pára por um momento. Fecha os olhos e imagina-te a fazer uma viagem até ao coração da Guiné-Bissau...




Está rodeado de verde. O horizonte é desenhado por palmeiras, poilões*, trepadeiras e outras centenas de espécies de vegetação. Com alguma sorte, vês macacos e esquilos a atravessarem a estrada cor de sangue. À medida que penetras o mato denso e cheio de vida, encontras pequenas lagoas com nenúfares onde crianças brincam e lavam o corpo. Escuta...Ouves? Dezenas de aves e insectos entoam cânticos hipnotizantes. Tchuba na bin*. O céu grita impaciente e transforma-se rapidamente em pesadas gotas de chuva que te lavam com gosto a pele. "Foté!"* Várias vozes celebram a tua passagem. És bem-vindo aqui. Adormeces sob o céu imenso, embalado pela melodia dos grilos, dos morcegos e de outros animais que não identificas. Amanhece. Gosi, bô bai kata iagu* e o teu corpo entra em sintonia com a corda que sustém o balde. À tarde vai comprar pão, dás mantenhas ao alfaiate Carimo, mergulhas os pés no lodo de mil cores da bolanha*. As coisas simples da vida...Dançar à chuva, trepar árvores, comer mancarra* acabada de ser recolhida da terra, sentar no chão e assistir ao espectáculo que é ver o céu mudar de cor vezes sem conta...A viagem está a chegar ao fim. Acenas a mão, gesto despido de sentido. "Até quando?", ecoa em silêncio partilhado. Olhos embaciados. Corações descompassados chamam por ti como os tambores chamam os pés para dançar. O teu coração responde e à medida que se perde no horizonte, deixa-se confundir com as batidas dos peitos que ficam.

Até um dia, Cassacá.

Ana Gomes, Carolina, Raquel e Sara


Legenda:

*Poilão - Árvore sagrada que existe na Guiné-Bissau

*Tchuba na bin - A chuva vem aí (crioulo guineense)

*Foté - Branco (na língua sussu)

*Gosi, bô bai kata iagu - Agora, vais tirar água ao poço (crioulo guineense)

*Bolanha - Campo de arroz

*Mancarra - Amendoim

Monday, October 17, 2011

Nô djunta ISU & Jamaica

Os nossos voluntários estão de volta!!..e para os recebermos com a merecida alegria e animação, convidamos todos os isuitas & amigos a juntarem-se a nós numa grande grande FESTA de RECEPÇÃO dos VOLUNTÁRIOS 2011, bem ao estilo das já conhecidas Festas do JAMAICA!!
Para além disso, festejamos também com o nosso parceiro Jamaica a sua recente reabertura e a continuidade das comemorações dos seus 40 anos!
É já esta 4ªfeira (dia 19 Out.), pelas 00:00h, no local habitual: Jamaica - Rua Nova do Carvalho 6, Lisboa.
Preço da entrada (que reverte a favor dos projectos Nô Djunta Mon): 5 €

Nô bai, nô bai...!! ;)

Até breve!
Equipa NDM11

Tuesday, September 13, 2011

Notícias de Contuboel..!

Estamos juntos aqui na Guiné-Bissau. Quatro pessoas, há cerca de quatro semanas, com quatro pilares a unificarem a nossa vida. Os nossos quatro corpos são sorrisos por descobrir uma família de abraços grandes e calorosos. Os nossos quatro corpos são alegria de viver uma cidade cheia de casas de portas abertas, pisadas calmas na passada pelas ruas de chão cor de laranja, pelas noites de luar e estrelas, relâmpagos e chuvas, dias verdejantes e luminosos.
Os nossos quatro corpos crescem por dentro quando percebemos que as pessoas que pretendemos formar, aprendem, felizes, potenciando o futuro amanhã deste país, pequeno na área mas tão grande na humanidade.
Os nossos quatro corpos são cada um a olhar, a fazer e a aprender coisas diferentes e iguais. Os nossos quatro corpos estão juntos na vontade de aqui estar e partilhar cada momento com genuína verdade, com a certeza de mudança individual, colectiva e naqueles que nos rodeiam.

Mantenhas!

Team Contuboel - Ana Lua, Edu, Flávia e Irina

Wednesday, September 7, 2011

Cassacá é verde, muito verde!

Um verde puro e selvagem que cresce livre juntando na densa floresta palmeiras, cajueiros, borboletas, castelos de formigas baga-baga e poilões.
É impossível traduzir as duas horas que separam Quebo, onde a estrada de alcatrão termina, de Cassacá. Elas não são tempo, não são espaço, são uma realidade em si. O caminho entra dentro de nós, vasculha e limpa o que temos, deixa-nos cheios à medida que nos torna vazios. Poderia o mundo ter nascido aqui, pela terra sendo mato, do mato sendo árvore, macaco, esquilo, pássaro e céu. E não acaba. O verde (que outro nome lhe dar?) não acaba.

Cassacá é lá. Numa linha de rua entre as palhotas feitas reinos, no constante estar do dia. Percebemos que estamos a chegar: "Fotê! Fotê! Fotê!". As crianças já não estranham os corpos de cor diferente, mais pálidos, e gritam à nossa passagem. Riem e dizem adeus. Um adeus que não despede, é encontro. As nossas palmas das mãos afastadas mas unidas no mesmo movimento.

Finalmente chegámos àquela que seria a nossa casa nos próximos dois meses. Também ela verde, a receber a nossa energia e alegria. O quarto ainda guarda a presença ISU do ano anterior, a cor da Xana, da Sónia, da Carla e da Filipa. Tal como elas, mantivemos a organização escolhida: quarto à esquerda, escritório à direita. Depressa deixamos as bagagens para trás e recebemos o calor dos nossos novos amigos de palmo e meio: Cadjali, Nfanso, Bia, Abu, Secuna, Ansumani, Seiduba. Os olhos em delírio por conhecerem pessoas novas. Ao fim de um mês no embalo desta pequena tabanca eles são o carinho maior de uma comunidade que nos recebeu de braços abertos e recordando sempre quem no ano passado aqui sorriu e descobriu com eles a vida simples de Cassacá.

Agora, já depois de muitos passeios pelos trilhos de terra vermelha, de muitas idas ao pão, ao costureiro e à escola onde damos a formação, sentimo-nos parte da comunidade. Ao longe e ao perto chamam sem medo: Ana, Sara, Carolina, Raquel! E nós retribuímos o sorriso. Aprendemos a ir, a estar, a sorrir aos momentos simples e a admirar as mulheres. Experimentámos a mestria de tirar água do poço e sobrevivemos à extensa fauna de insectos que nos tatuaram as pernas. Confiantes, partimos à aventura e fomos plantar arroz à bolanha, à paisagem que é arte do homem, onde o horizonte é infinito e adorado pela água. Assombradas pela beleza à nossa frente percebemos que a missão não seria fácil. Depois de uma hora de caminho, descalças, com os pés cobertos de barro cinzento, escorregando e rindo, chegámos ao local. Ali, num campo negro e cheio de água, plantámos arroz. Ensinadas pelas mulheres artistas da vida e do labor tentámos repetir os gestos que para elas são naturais. E aos poucos a obra nascia, os pequenos tufos verdes começavam a cobrir a terra. As nossas "parceras" contemplavam divertidas a nossa humilde contribuição. Porém, outro trabalho nos aguardava, a preparação da sessão do dia seguinte, e por isso voltámos a casa.

Com a formação descobrimo-nos a outro nível. Em pequenas etapas fomos construindo as sessões, o ser formadora neste contexto, o falar devagar, o participar e sorrir na aprendizagem partilhada. Depois de uma semana de formação em Dinamização Comunitária para um grupo de 10 formandos, estamos agora a meio da nossa segunda formação em Metodologias Participativas de Ensino, trabalhando com um grupo de 31 formandos. O desafio é maior mas a confiança no nosso trabalho também. Sessão a sessão melhoramos, reconhecemos que os frutos do trabalho se revelam devagar, mas confiamos no fio do futuro. Cada passo conta, para todos.

A lua, e o calendário, ditaram entretanto uma paragem na formação. O Ramadão, a festa tradicional muçulmana que marca o fim do jejum, acontece por estes dias. Os formandos regressam às suas tabancas para festejarem com a família e nós partimos também. Vamos para Norte, rumo ao reencontro com a nossa metade Nô Djunta Mon em Contuboel. Após uma breve visita aos nossos companheiros de aventura Edu, Irina, Flávia e Ana Lua, seguimos todos para Bubaque, a ilha bonita do arquipélago dos Bijagós. Ali, e ainda com algum sal na pele, vivemos a magia de estarmos novamente juntos. Partilhámos momentos, recordámos dias intensos de formação, contamos alegres o que fomos descobrindo na terra sabi, Todos na sua forma particular confessaram-se encantados com a Guiné.

Assim continue o nosso caminho no próximo mês...

Saudades e mantenhas para todos!

Abraços e beijihos das meninas de Cassacá,
Ana, Carolina, Raquel e Sara



NDM...a oito...em Bubaque!

Thursday, August 11, 2011

Chegamos à terra sabi..!

Eram três da manhã, hora local, quando o avião aterrou. As borboletas voavam nas nossas barrigas na ânsia da chegada. As expectativas confirmaram-se: a sensação do quente e húmido continente, o cheiro a terra molhada logo à saída do avião.

Finalmente chegámos! Estamos na Guiné!

No caminho do aeroporto até à Pensão Central da Avó Berta fomos acompanhados pela chuva e escuridão mas, com olhos curiosos, tentámos descodificar os vultos que nos rodeavam...

Depois do merecido descanso estávamos, enfim, despertos para viver Bissau. Nestes dois dias descobrimos os cheiros do porto de Pindjiguiti, a agitação e as cores do mercado do Bandim, a amizade do Moussá, a hospitalidade dos tios, primos e amigos do Edu, o "misti u" (gosto de ti) dos rapazes e o djumbai (convívio) da nossa varanda.

Tudo é novo e excitante mas a adaptação ainda está só no início...

Esperam-nos mais dois dias em Bissau, a oito, e depois o Nô Djunta Mon segue o seu caminho a leste e a sul. Nô pintcha nô projecto! (Avançamos com o nosso projecto)

Mantenhas pa tudo genti! (cumprimentos para todos!)

Ana

Carolina

Eduardo

Flávia

Irina

Lua

Raquel

Sara

Nô Djunta Mon 2011 (Guiné-Bissau)

Partida, largada, fugida...pa terra sabi!


























Terminado mais um ano de preparação dos voluntários nôdjuntamon, eis que chegou o momento da partida...Os nosso nôdjuntas partiram para a terra sabi - Guiné-Bissau - no dia 5 de Agosto.


Na bagagem muita reflexão e "capacitação", aliada a um misto de sentimentos contraditórios...emoção, euforia, ansiedade, nervosismo, sorrisos, lágrimas...mas acima de tudo, um grande desejo de partir!


Com eles levaram também muita expectativa e confiança no trabalho que vão desenvolver...do lado de quem fica, foi e continuará a ser um prazer trabalhar, partilhar e aprender com todos vocês!


Depois de uns dias em Bissau, a viagem que começou a 8 ficará reduzida a 4...cada grupo partirá para os seus projectos e contextos - Contuboel e Cassacá!


Ficamos à espera das novas notícias..!


Nô sta djunto!!

Nô djunta ISU & Alex and the Ps & MusicBox

Festa de Angariação de Fundos djunta ISU & Alex and the Ps & MusicBox - dia 26 Julho 2011!
Grande noite, grande som, grandes voluntários e convidados!!

AFRICA MOSTRA-SE ...Edição Zero!

Passados alguns anos e desfeitas algumas expectativas, eis que o Grande AFRICA MOSTRA-SE e todos os envolvidos na sua realização, viram um grande sonho concretizado!!

Este evento, desenvolvido e organizado pelos voluntários, pretende divulgar e valorizar a cultura africana nas várias artes (cinema, música, dança, gastronomia), tornando-se assim um dos grandes eventos de angariação de fundos para os projectos NDM!

A edição zero do AFRICA MOSTRA-SE saiu à rua nos dias 21, 22, 23 e 24 de Julho e expalhou-se por vários espaços da cidade...no Arte & Manha tivemos um ciclo de cinema, workshop de cozinha africana e em festa com convidados ilustres como Costa Neto e o Dj Cajokolo.










No espaço Evoé continuamos com sessões cinema documentário e com workshop e espectáculos de dança africana, nos quais contamos com a presença das Wonderfull's Kova M e das Netas de Didinha Cabral!



Contamos ainda com o espaço do Bacalhoeiro, para uma grande Cachupada em familia!


A todos os voluntários, parceiros, colaboradores e presentes, que contribuiram para a realização e sucesso desta nossa actividade, o nosso Muito Obrigada!!


No próximo ano estaremos de volta...não nos percam de vista! ;)


Vai mais uma sardinha..?!

A familia Isuita esteve presente em mais um grande evento...os Santos Populares!!



Na noite de 12 para 13 de Junho, a barraquinha do ISU esteve em força em mais uma noite de comemorações na cidade de Lisboa! Alegria, diversão e, entre sardinhas e bifanas, continuamos na nossa missão de angariar fundos para o projecto NDM11...foi uma noite de muito trabalho e dedicação, mas todos os esforços foram compensados!



Obrigada a todos pela motivação e resistência e por acreditarem que juntos fazemos a diferença!!


Nô djunta mon & €...pa bai Guiné-Bissau!


Wednesday, August 10, 2011

Arraial do Carmo 2011

Por mais um ano consecutivo, o ISU esteve presente no evento do Arraial do Carmo, que este ano se realizou nos dias 29 e 30 de Abril, nos Jardins de S. Pedro de Alcantara. Apesar do mau tempo, foram 2 noites de muita animação, comemoração e angariação!


E com esta actividade, começamos a djuntar mais uns € para a concretização do projecto NDM11!





















Final da Formação NDM11...e o início das actividades da equipa de financiamento!

Em Abril passado concluiu-se mais uma Formação Específica para os Projectos NDM...com um grupo de formandos muito motivado e inspirador, dificil foi a tarefa de seleccionar os candidatos a ir em projecto.
Porém a grande riqueza humana foi preservada e fortalecida...não se perderam os laços, não se quebraram as sólidas relações que se criaram, não deixou de haver união, amizade e espírito Isuita!! :)

E com este espírito iniciou-se também mais um ano de grandes actividades, para a angariação de fundos para o projecto NDM11!

Aqui fica uma pequena amostra de toda a alegria, empenho e entusiasmo dos voluntários isuitas nas diversas actividades realizadas..!



video







Tuesday, April 12, 2011

XIV Formação Específica NDM


No passado dia 26 de Março, teve início o XIV Curso de Formação Específica para os projectos NDM 2011!

Com um grupo muito dinâmico e motivado, iniciamos mais um ano de grandes partilhas, reflexões e cumplicidades!

A Formação decorrerá ao longo de um mês, onde o grupo terá oportunidade de reflectir sobre as temáticas do Voluntariado para a Cooperação, da Cooperação para o Desenvolvimento, da Interculturalidade e da Educação para o Desenvolvimento.


Esperam-se grandes Motivações para Grandes Projectos!


Nô sta Djunto..!

Wednesday, January 26, 2011

Testemunho Voluntária NDM



Impossível partir sem expectativas, quando é grande a vontade de Ir.
Motivada pelo quê? “Por mim”, parece-me a resposta mais verdadeira, por muito que nada pareça significar.
Vivi 70 dias de projecto consciente do compromisso que tinha comigo mesma e com os outros e esse facto constituiu para mim o grande desafio. Cresci num espectro de evolução que desconhecia, que muito ultrapassa a maturidade, a responsabilidade e o “desenrascar” muitas vezes experimentados noutras situações.
Aos poucos a poeira vai baixando, a névoa que confunde vai desaparecendo e os sentimentos começam a surgir.
Sou a mesma, mas o meu olhar está diferente. A visão que tenho do mundo tornou-se mais relativa e a visão que tenho de mim mais absoluta.

Mariana Esteves
NDM10 – Gabu e Contuboel